O C-Cultura Caseira figura entre os restaurantes contemporâneos com design arrojado, valorizando tanto a cultura, quanto a culinária local. Conheça mais sobre a decoração do local!

Comandado pelo chef brasileiro Val Fernandes, o menu apresenta uma saborosa variedade de entradas, pratos principais e sobremesas. Uma excelente pedida para quem procura por um excelente restaurante em São Paulo.

Ao entrar no restaurante C-Cultura Caseira, você vai se deparar com um ambiente sofisticado e aconchegante, onde toques rústicos da cultura brasileira – como as cerâmicas e artesanato, predominam . Mas há um grande “detalhe” no restaurante que faz toda a diferença. Trata-se da intervenção artística, semelhante a um emaranhado de cordas, do designer brasileiro Edson Nunes. É impossível passar desapercebido por esta obra,  um diferencial que ressalta no meio do restaurante, que garante visual elegante ao ambiente.

Mas esta obra de arte não ficou só no ambiente. O logo do C-Cultura Caseira foi inspirado nesta fantástica divisória e cada linha do mesmo representa conexões e encontros, conceitos que se apreciam no restaurante com as mesas comunitárias, lobby bar, e espaço aberto sem paredes que dividem o ambiente.

As cordas – de tucum – vieram do Piauí e foram trançadas diretamente no local, poucos dias antes da abertura do restaurante em fevereiro de 2014.  Sabe quantas cordas foram usadas nesta belíssima obra de arte? E já pensou nos kilómetros e nós que foram necessários para realizar esta imponente divisória?

Para nos contar um pouco mais sobre seu trabalho, realizamos uma entrevista exclusiva com o designer Edson Nunes. Confira:

Grand Hyatt São Paulo: Conte-nos um pouco da sua formação profissional.

Edson Nunes: Sou formado em Comunicação Social e especializado em Criação Publicitária, mas minha vocação sempre foi a criatividade, e foi no design com fibras naturais que me realizei profissionalmente.

Grand Hyatt: Vimos que você trabalha com materiais ecologicamente corretos e fibras naturais. Seu trabalho sempre seguiu com essa linha?

Edson Nunes: Sim, me especializei em criar e desenvolver projetos de decoração de ambientes e móveis utilizando fibras naturais. Conto também com a criatividade de grandes designers e arquitetos, para aplicar em suas obras o conhecimento adquirido em um pouco mais de 20 anos de experiência em utilizar as fibras naturais, que por sinal, encontramos em abundância em nosso país.

Grand Hyatt São Paulo: No que você se baseou para criar a arte do restaurante C-Cultura Caseira do Grand Hyatt São Paulo? Quando tempo ela demorou para ser realizada?

Edson Nunes: Estamos em constante pesquisa de novas referências e materiais. Neste projeto em especial, misturamos um pouco de um trabalho que eu executei, que foi criado pelo Studio Arthur Casas, em um biombo. Mas também desenvolvemos uma nova técnica para torcer as cordas no local, já que a amplitude do projeto exigia que o material- a corda de Tucum, tivesse uma espessura maior do que a que costumo comprar. As formas da trama aleatória foram dadas de maneira ordenada, pois tínhamos que cobrir os espaços formados pelos vários “X” que se formaram. Utilizamos 16km de corda e cerda de 2000 nós para fixá-las em uma estrutura metálica escondida atrás dos sofás. O processo todo demorou 28 dias para ser executado, contando com a elaboração e instalação das estruturas metálicas no teto e no piso. Aproveitando que citei a corda de Tucum, ela é feita por uma tribo indígena na região norte do Brasil, que desenvolveu uma técnica de torção das folhas da Palmeira utilizando uma roca artesanal. Além de girar a economia local, é um processo sustentável já que as folhas utilizadas são as que já caíram no chão.

Grand Hyatt São Paulo: Além dessa arte específica, o que mais é possível fazer com esse tipo de material?

Edson Nunes: Com a corda de Tucum conseguimos fazer, além de painéis, muitos móveis, como assentos de bancos, cadeiras, poltronas, puffs e o que mais a criatividade permitir. Outra obra muito importante, também criada pelo arquiteto Arthur Casas, fica na Lounge One, do Shopping JK Iguatemi. Trata-se de grandes portas articuladas e divisórias localizadas na área do café.

Grand Hyatt São Paulo: Por se tratarem de fibras naturais, as obras podem sofrer algum tipo de alteração ao longo do tempo? Isso é algo proposital em suas artes?

Edson Nunes: Bem observada esta questão. A fibra natural sofre constante alteração; seja ela de cor, por conta do amadurecimento, incidência da luz, por ação de umidade do ar e contração ou retração das fibras. Quando criamos um projeto com a corda, analisamos tudo que pode ocorrer por conta destes fatores. Então já nos antecipamos aos eventos e reforçamos ou até mesmo projetamos as estruturas de sustentação para suportarem tais alterações. Quanto aos acabamentos, buscamos utilizar materiais que possam impermeabilizar, retardar a propagação das chamas e não desfiar, utilizando materiais a base de água, que não danificam a fibra. Vale ressaltar que as fibras naturais são as mais indicadas para ambientes internos, pois sofrem menos interferência.

Agora que você já aprendeu bastante sobre a corda de Tucum e fibras naturais, que tal fazer uma visita ao C-Cultura Caseira?

O restaurante conta com 133 lugares para receber clientes durante todo o ano. Com luz natural, espaço amplo, clean e sofisticado, o restaurante apresenta o ambiente perfeito para almoços e jantares de segunda-feira a domingo.

Aberto todos os dias, oferece almoço buffet e jantar à la carte durante a semana, feijoada aos sábados e brunch aos domingos, além de café da manhã todos os dias.  Clique aqui para saber mais sobre o restaurante C-Cultura Caseira.

Quer presentar experiências inesquecíveis? As opções de Vale Presentes do Grand Hyatt São Paulo incluem o brunch e a feijoada, entre outras opções gastronômicas.  Clique aqui para saber mais sobre nossos Vale Presentes em gastronomia.